domingo, março 06, 2011

Costelinha e o proprietário responsável

Hoje, vindo para casa encontrei um cãozinho, muito fraco e magro, para ser sincera quase feio de tão maltratado, e ainda com um olhar tão angustiante, que quando eu olhei me deu um nó na garganta e uma tristeza na alma...ontem quando eu vinha para casa, eu também encontrei um cãozinho fraco e magro, antes de ontem foi a mesma coisa...alguns dias eu os encontro aos montes, em outros, só um ou dois destes...cãezinhos fracos, magros e inocentes a perambular pelas ruas, a cruzar o caminho de dezenas de humanos como eu, por culpa destes mesmos humanos como eu. Como pessoas tem coragem de abandonar um ser assim, um animal que daria a vida por seus donos? Não falo só de cachorros, qualquer tipo de abandono é cruel, é triste… não façam isso, pensem e repensem…Então eu escolhi a história do Costelinha para falar sobre Responsabilidade...

Você já ouviu falar em Posse Responsável ?
Posse responsável é o conjunto de deveres de todas as pessoas que possuem ou pretendem possuir um animal de estimação...Isso mesmo. Não temos apenas direitos, temos deveres também. Devemos, por exemplo, manter a boa saúde do nosso animal de estimação e manter suas vacinas em dia. Outro dever é fazer a manutenção da higiene tanto do nosso amigo como dos ambientes que frequentamos. Dar lazer levando-o para passear e dedicando também parte do nosso tempo a ele. Manter a segurança dele e das outras pessoas usando sempre coleira e guia. Dar segurança, boa alimentação e moradia para ele. Somos responsáveis pelo nosso cão e por suas atitudes perante as outras pessoas. Ou seja, devemos cuidar bem dele dando carinho, amor e condições dignas de vida, como todo ser vivo merece! Só que nem sempre é assim...o Costelinha sabe bem do que eu estou falando...e vai contar um pouco do que ele viveu...


Eu sou o Costelinha...antes, quando eu morava com minha "família" eu me chamava Bobby, mas quando eu cheguei por aqui, as dindas do Auaufanato resolveram mudar meu nome, elas dizem prá cada um de nós que chega aqui que a primeira mudança que transforma as nossas vidas (de cão vadio, errante, abandonado na rua ou dentro do quintal - a cão amado e feliz) acontece quando recebemos um nome novo, uma outra identidade, uma nova chance de viver de forma digna... Tem muita gente por aí nesse mundão que, por impulso, adquire um cachorro e leva pra casa sem pensar que todo ser vivo precisa de cuidados e dedicação, atenção, carinho, paciência, alimentação. E aí, por qualquer motivo, depois que a gente se habitua e se apega às pessoas, elas vão lá, abrem o portão, nos colocam prá fora de casa e simplesmente nos abandonam...Isso não é amor, é egoísmo... Tem também as famílias que nos abandonam dentro do mesmo ambiente em que vivem, como aconteceu comigo...essas pessoas negligenciam nossas vidas, ficam indiferentes à nossa presença, esquecem de nos dar comida e água, de levar a "gente" no tio-veterinário, não olham nossos dodóis nem de longe, (os de fora, e muito menos os de dentro do coração) não nos tocam, não nos percebem vivos e dotados de sentimentos. E muita gente usa as desculpas mais variadas: reclamação do vizinho, gravidez, alergia, gastos...Sendo que tudo isso poderia (e deveria) ter sido avaliado antes...nem todas as pessoas que decidem ter um animal de estimação pensam no tamanho da casa, no tamanho do tempo que terá que dedicar a ele, nas despesas que ele dará, nos problemas com os vizinhos, nos alérgicos da família e acabam não escolhendo o cãozinho que se encaixam nas condições ou nas possibilidade da família.
Se você não está preparado para "mudar a sua vida" adotando ou comprando um cãozinho (ou gatinho) então desista e deixe que ele seja escolhido por alguém que nunca vá abandoná-lo ou que esteja disposto a enfrentar as barreiras que possam aparecer, como um vizinho chato ou um médico que acha (equivocadíssimamente) que uma mulher grávida não pode ter cachorro...E se você tem um animalzinho de estimação e por qualquer motivo não quer ou não pode mais tê-lo por perto e realmente não tiver outra alternativa, procure incansavelmente outra família ou alguém que realmente irá cuidar bem dele, não dê ao primeiro que aparecer. Faça perguntas, escolha alguém que possa dar ao seu amigo o que ele precisa prá ser feliz. É o mínimo que nós merecemos receber de quem nos cativou... abandonar é um ato cruel e desumano.
As Dindas me acharam abandonado no quintal da minha antiga casa, eu estava anêmico, com doença de carrapato, com muita, muita fome, triste, com um dodói na cabeça (tumor) e além de tudo isso, o nosso vizinho me espancava e ninguém sabia explicar o por quê. A minha antiga família não concordou muito com o fato das Dindas me recolherem, inclusive estiveram algumas vezes aqui no Auaufanato prá me visitar e dizer que as Dindas não tinham o direito de me tirar deles...como não? eu estava sofrendo, precisando de ajuda e vocês se omitiram!!!
E mesmo que vocês não mereçam, todas as vezes que vieram me ver e brigar com as Dindas (dizendo que estavam sentindo minha falta) eu fiz festa e sacudi o rabinho prá vocês, por que diferente dos humanos, os animais não guardam rancor no coração...
Aqui no Auaufanato eu tenho uma caminha só prá mim, tomo meus remedinhos, tomo banho de sol no quintal...a minha comidinha é especial por quê eu tomo medicamentos muito fortes, (a Tia Vanessa trás peito de frango e fígado prá mim) todos por aqui me amam e me dão muito mais do que eu preciso, eu já não posso mais enxergar, tenho um tumor no osso da face, ele cresce a cada dia, as Dindas têm de estar sempre atentas à secreção que desce dos meus olhinhos, à minha respiração que algumas vezes fica muito barulhenta, a minha dificuldade de locomoção e minha carência...e elas não falham! Eu vivo como quero agora, ainda que tenha comigo esse dodói que incomoda eu sou um vira-latas muito feliz, mas por vezes compartilho com as Dindas o mesmo pensamento: "se aquela família não tivesse fechado os olhos pra vida do Costela, talvez hoje ele não tivesse passando por isso tudo"...mas tudo bem Dindas, eu sou feliz e amado AGORA... e isso é o que importa.

É muito comum que as pessoas abandonem seus animais à própria sorte, mesmo sem necessariamente colocá-los na rua, mas se você (ou alguém na sua família) tem nojo de baba, não deve escolher uma raça que babe. Ou, se você não tem muito dinheiro para gastar, deve investir em raças menos propensas a problemas de pele, olhos ou ouvidos, por exemplo. Ou se você mora em apartamento, deve escolher uma raça que não fique latindo por qualquer motivo. Como podemos ver, a escolha errada, pode nos trazer problemas e as consequências quem sofrem, somos nós (e também as pessoas que nos respeitam, pois a quantidade de animais abandonados aumenta a cada dia, mas os abrigos e CCZ's estão lotados e se um cãozinho só dá "trabalho" e gastos imagine 3, 10, 20...50? As pessoas nos tratam como um ser inanimado e sem sentimentos...e brincam com nossas vidas. Têm muitas pessoas que pensam assim: -se não der certo eu dou! Elas não pensam que será um sofrimento enorme para nós sair do convívio com a família, ter de sobreviver comendo lixo, fugindo das maldades das pessoas, correndo para escapar dos carros que querem nos atropelar, nos virando nesse mundão que é cruel com pessoas e mais ainda com animais.

Eu agradeço a todas as pessoas que cuidam de mim, eu amo as dindas, as tias, as visitas, os aumigos que tenho aqui no Auaufanato e sei que quando eu não mais puder viver por aqui (quando o meu dodói for tão grande que já não me permita mais lutar para permanecer vivo) eu sei que vou estar sempre na lembrança e no coração de cada um que me conhece e que me ama verdadeiramente.

Obrigado Dindas, vocês salvaram a minha vida!
Costela


Quer adotar um cão?
As perguntas que você precisa se fazer e responder é: -Eu sei quanto tempo vive um cachorro? E a despesa com alimentação e remédios? Vou dar conta? -Eu estou ciente de que quanto maior for o meu cachorro mais ele vai comer e mais ele vai fazer cocô? Ou ainda: -Eu sei o tamanho do xixi e do cocô que o meu cachorro vai fazer e estou disposto a limpar? Ou eu vou soltar ele na rua para ele fazer cocô na porta dos outros, para que os outros limpem? (...)
A maioria das pessoas não se faz pergunta nenhuma: acha todos os filhotes fofos e lindos e compra ou adota sem pensar que filhote de elefante também é fofo e lindo. O "problema é que depois cresce e faz cocô, e tem que passear... e fica doente, ele precisa comer e precisa ir ao veterinário...Se realmente não tiver jeito, você fez a burrada de se comprometer com uma vida e não tem capacidade de cuidar dela, procure doar para pessoas conhecidas porque diariamente nós somos perseguidas por situações desesperadoras, nem todas as pessoas sabem o que é ter de viver de prontidão esperando o próximo pedido de socorro por um animal sofrido. Muitos animais morrem nas ruas todos os dias, no mundo todo... um dos motivos que causa a morte deles é a tristeza, a dor do abandono...Se você pensa em "presentear" seu filho com um animalzinho, abandone essa idéia. Crianças não podem se comprometer com a vida de um animal, por mais amorosas e dedicadas que elas sejam...uma criança é só uma criança...ela não tem que lembrar que está acabando a ração do cachorro, nem tem que deixar de assistir à tv para limpar a sujeira do cachorro, assim sempre vai acabar sobrando para os pais que não gostam nada do novo serviço. E isso é muito comum: a criança diz que vai cuidar e não cuida, daí, eu digo: - o cachorro é do adulto, se for comprar para a criança cuidar, vai fazer besteira.
E se você acha que tudo isso é um exagero, olhe à sua volta, veja a população de cachorros de rua que existe. Com certeza, começaram a partir de cachorros abandonados por seus donos à própria sorte e foram cruzando e gerando mais cachorros. Visite um centro de zoonoses ou um abrigo de animais e verá a quantidade de cachorros abandonados. É triste ver o os seres humanos são capazes de fazer. O Costelinha já contou um pouco da própria história, ele tem um tumor na face e está em tratamento, precisa muito dos medicamentos Beneroc, Transamim, Dorless (tramadol) e Azicox, além de muito amor e carinho...isso podemos dar gratuitamente a ele e a tantos outros, mas precisamos de ajuda urgente com os gastos do tratamento do nosso aumiguinho.
Para você os animais importam? Quer contribuir? Doe qualquer quantia em dinheiro ou um dos medicamentos que ele precisa.

Nossas contas para doações:
Banco do Brasil
Nome: Araceli V. F. N. Ribeiro
Conta Poupança: 18865-4
Variação: 01
Agência: 3480-0

ou:

Caixa Econômica Federal
Agência: 3132
Operação: 013
Conta Poupança: 3852-9
Nome: Rosimar Nunes Pereira

Obrigada!
Marie
(Meu sonho é ser uma pessoa tão boa quanto meus cachorros pensam que eu sou!)

3 comentários:

simone disse...

costelinha nosso bebe lindo...Deus queira que voce viva ainda por muito tempo conosco. Voce merece ser muito feliz.

celia disse...

Parabéns à turma do auaufanato, sem essa força e disciplina de vocês quantos ainda não estariam pelas ruas em grande sofrimento??

As Aventuras de Billy disse...

Olaaa... emocionante essa hist.
Eu to super comovida ainda mais pq há 1hr atraz pegamos um cachorro de rua. Ele esta super magro, anda pouquinho...da p sentir os ossos dele...Ele devorou a ração, bebe muuuita agua...quais procedimentos devemos tomar? axo q ele esta desidratado...vamos levar ao vet...mas ele esta com medo de pessoas...e nao keremos traumatizar...vamos levar amanha...oq podemos fazer hoje?...soro?...ele é docil..com uns olhos de tristes....mas um fofo!! Me ajudem axo q vcs tem mais experiencia q euuu... =/